Notícia biobibliográfica

 

           Cláudio Aguiar nasceu em Poranga, Ceará, em 1944. Estudou no Liceu do Ceará e no Ginásio Pernambucano. Bacharelou-se pela Faculdade de Direito do Recife e conquistou o título de Doutor pela Universidade de Salamanca (Espanha).

           Ficou conhecido nacionalmente com a montagem de seu oratório dramático Suplício de Frei Caneca (Editora Civilização Brasileira, 1980) e, a seguir, com a publicação do romance Caldeirão (Livraria José Olympio Editora, 1982), ganhador do Prêmio Nacional José Olympio de Romance de 1981, certame que homenageou os 50 anos de vida editorial daquele importante edeitor e do Prêmio Nacional de Literatura MEC/INL, de 1982. Caldeirão, além de ser objeto de várias teses e monografias universitárias. Foi

traduzido e publicado na França e Espanha.

           Quase todos seus livros receberam prêmios ou foram finalistas de certames literários. Entre os demais prêmios recebidos, incluem-se o “Premio Iberoamericano de Narrativa Miguel de Unamuno”, ao romance El rey de los bandidos, publicado em 2009 pela Editorial Verbum, de Madrid e o Prêmio Jabuti de 2015 concedido ao livro Francisco Julião, uma biografia, publicado pela Editora Civilização Brasileira.

            É também autor de livros de ensaios sobre crítica literária, história e direito, entre os quais se destacam Os Espanhóis no Brasil (Tempo Brasileiro, 1992), Franklin Távora e o seu tempo (Academia Brasileira de Letras, 2ª ed., 2005) e O Monóculo e o Caleidoscópio – Gilberto Freyre, escritor – Algumas Influências (Editora Massangana, 2009).

            Parte da obra de ficção de Aguiar está traduzida para o francês, o espanhol e o russo. Sua obra literária consta de mais de 30 livros publicados, entre os quais merece menção A última noite de Kafka e outros dramas(reunião de doze peças teatrais) publicado pela Academia Brasileira de Letras e Ibis Libris, em 2016.

            Defendeu tese de doutorado em Direito Internacional na Universidade de Salamanca (Espanha), sob o título Organización Social y Jurídica de los Inmigrantes  Españoles en el Brasil, em 1986, tendo como orientador o jurista e professor Inocencio García Velasco.

            Foi Diretor Administrativo do Tribunal Regional do Trabalho da Sexta Região (Recife). É membro da Academia Pernambucana de Letras, da Academia Carioca de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB). Pertence ao PEN Clube do Brasil, do qual foi seu presidente por quase uma década de 2011 a 2020.

Notícia biobibliográfica

 

           Cláudio Aguiar nasceu em Poranga, Ceará, em 1944. Estudou no Liceu do Ceará e no Ginásio Pernambucano. Bacharelou-se pela Faculdade de Direito do Recife e conquistou o título de Doutor pela Universidade de Salamanca (Espanha).

           Ficou conhecido nacionalmente com a montagem de seu oratório dramático Suplício de Frei Caneca (Editora Civilização Brasileira, 1980) e, a seguir, com a publicação do romance Caldeirão (Livraria José Olympio Editora, 1982), ganhador do Prêmio Nacional José Olympio de Romance de 1981, certame que homenageou os 50 anos de vida editorial daquele importante edeitor e do Prêmio Nacional de Literatura MEC/INL, de 1982. Caldeirão, além de ser objeto de várias teses e monografias universitárias. Foi

traduzido e publicado na França e Espanha.

           Quase todos seus livros receberam prêmios ou foram finalistas de certames literários. Entre os demais prêmios recebidos, incluem-se o “Premio Iberoamericano de Narrativa Miguel de Unamuno”, ao romance El rey de los bandidos, publicado em 2009 pela Editorial Verbum, de Madrid e o Prêmio Jabuti de 2015 concedido ao livro Francisco Julião, uma biografia, publicado pela Editora Civilização Brasileira.

            É também autor de livros de ensaios sobre crítica literária, história e direito, entre os quais se destacam Os Espanhóis no Brasil (Tempo Brasileiro, 1992), Franklin Távora e o seu tempo (Academia Brasileira de Letras, 2ª ed., 2005) e O Monóculo e o Caleidoscópio – Gilberto Freyre, escritor – Algumas Influências (Editora Massangana, 2009).

            Parte da obra de ficção de Aguiar está traduzida para o francês, o espanhol e o russo. Sua obra literária consta de mais de 30 livros publicados, entre os quais merece menção A última noite de Kafka e outros dramas(reunião de doze peças teatrais) publicado pela Academia Brasileira de Letras e Ibis Libris, em 2016.

            Defendeu tese de doutorado em Direito Internacional na Universidade de Salamanca (Espanha), sob o título Organización Social y Jurídica de los Inmigrantes  Españoles en el Brasil, em 1986, tendo como orientador o jurista e professor Inocencio García Velasco.

            Foi Diretor Administrativo do Tribunal Regional do Trabalho da Sexta Região (Recife). É membro da Academia Pernambucana de Letras, da Academia Carioca de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB). Pertence ao PEN Clube do Brasil, do qual foi seu presidente por quase uma década de 2011 a 2020.